Diferença entre Faculdade e Universidade

Buscando a diferença entre faculdade e universidade? Embora esses dois termos tenha sido muito usado com o mesmo significado, é bom saber que há uma grande diferença! A maioria dos estudantes, quando prestam vestibular, geralmente se preocupam principalmente com a escolha do curso, e não na classificação da instituição. Entenda a seguir, a diferença entre faculdade e universidade

Diferença entre Faculdade e Universidade
Diferença entre Faculdade e Universidade

✱Confira se você já sabe a Diferença entre Ética e Moral!

Diferença Entre Faculdade e Universidade

É bastante comum ver os estudantes usando as palavras Faculdade e Universidade como sendo sinônimos de instituições de ensino superior. Porém, embora sejam, de fato, muito parecidas, existem diferenças entre faculdade e universidade que são importantes de conhecer. 

No Brasil, essas diferenças estão contidas no Decreto nº 5.773/06 do Ministério da Educação (MEC), que dividem as instituições de ensino superior em três categorias. São elas:

  • Faculdade;
  • Universidade;
  • Centro Universitários. 

Porém, hoje iremos falar apenas da diferença entre faculdade e universidade. Veja abaixo, o que caracteriza cada tipo de instituição:


Faculdade 

As faculdades são instituições do ensino superior públicas ou privadas, que atuam em um número menor de áreas do saber, como saúde, tecnologia ou ciências humanas aplicadas, por exemplo.

Para uma melhor compreensão, podemos dizer que um conjunto de faculdades forma uma universidade, desde que atenda a critérios adicionais de pesquisa e extensão.

As faculdades, devem cumprir o seguinte requisito:

  • O corpo docente tem de ter, no mínimo, pós-graduação lato sensu – normalmente menores do que os mestrados e doutorados.

Universidade

Diferente das faculdades, as universidades são instituições mais completas. Elas são independentes, podendo criar cursos sem pedir autorização do Ministério da Educação (MEC). 

As universidades federais sãos criadas apenas por lei, e necessitam de aprovação do Congresso Nacional. Já as particulares, podem surgir por meio de outras entidades, como os centros universitários.


Os requisitos mínimos são os seguintes:

  • Um terço do corpo docente, pelo menos, deve ter título de mestrado ou doutorado. Quanto maior a titulação dos professores, mais tempo de pesquisa e mais experiência para transmitirem aos estudantes;
  • Um terço do professorado deve ter contrato em regime de tempo integral – esses são os profissionais que costumam oferecer maior dedicação à instituição. Quando um docente é contratado para poucas aulas, normalmente, tem menos tempo para atender os universitários e para desenvolver projetos de pesquisa e extensão;
  • Desenvolver, pelo menos, quatro programas de pós-graduação stricto sensu (mestrado e doutorado) com boa qualidade – um deles deve ser de doutorado.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *